Na hora mais amarga

Ela é assim. Chega quando se está no auge da alegria, quando os planos são muitos e se espera o jamais alcançado.

Chega e derruba sonhos, destrói prazeres idealizados, consome de dor os que permanecem.

Conta a atriz Helen Hayes a sua inconformação com a morte de sua filha, de apenas dezenove anos de idade, levada por um ataque de poliomielite.

Por quê? – Gritava seu coração. Minha filha era jovem e inocente, por que razão ser levada desta forma, às vésperas de sua estreia na carreira teatral, em nova Iorque?

Ela própria, envolta em luto, abandonou a carreira artística. Como poderia criar beleza nos palcos, se estava morta por dentro?

Passou a recusar compromissos sociais e profissionais, limitando-se a receber as pessoas mais íntimas da família.

Tentou encontrar Deus, na literatura. Leu São Tomás de Aquino, a vida e a obra de Gandhi, a Bíblia.

Tudo, porém, sem êxito algum. Sua filha estava morta e ela só conseguia ver sombras espessas no mundo, na sua vida.

Mas, Deus tem formas estranhas de informar da Sua existência e socorrer Seus filhos.

Então, um tal Isaac Frantz começou a telefonar, diariamente, para sua casa, tentando lhe falar. Helen jamais o atendeu.

Finalmente, como ele não desistisse, ela concordou em recebê-lo em sua casa. Ele chegou, com a esposa.

E foi no início do diálogo que a atriz entendeu o motivo da visita do casal.

A ideia fora do senhor Isaac, inclusive, sem o conhecimento da esposa, que ficara apavorada ao saber do compromisso.

Contudo, comparecera, considerando que o marido tivera tanta dificuldade para marcar aquele encontro.

O que surpreendeu Helen foi a espontaneidade com que a visitante começou a falar do filho, desencarnado, há pouco tempo, vítima de paralisia infantil.

Subitamente, percebeu que ela mesma estava mencionando o nome de sua filha, o que não havia feito desde a sua morte.

E isso, emocionalmente, aliviara o seu coração. Entretanto, o que a escandalizou foi ouvir a visitante lhe dizer que tinha intenção de adotar um órfão de Israel.

A senhora Frantz, delicadamente, lhe disse: A senhora está pensando que esse órfão irá tomar o lugar do meu filho?

Isso jamais poderá acontecer. No entanto, ainda há amor no meu coração e não desejo que esse sentimento se perca por falta de uso.

Não posso morrer, emocionalmente, porque meu filho morreu biologicamente. Não devo amar menos por ter desaparecido fisicamente o afeto do coração. Devo amar ainda mais, porque o meu coração conhece o sofrimento dos que perderam o seu ente querido.

Quando o casal se despediu, concluída a visita, Helen compreendeu porque não encontrara Deus anteriormente.

É que ele, o Deus-amor, não está nas páginas de um livro. Ele reside no coração humano.

Também reconheceu que Deus a ninguém privilegia. Pessoas famosas ou quase anônimas, todas são iguais, perante o Seu amor e a Sua justiça.

* * *

Na hora mais amarga, serão a resignação dinâmica e a busca de Deus que poderão aplacar a dor e estabelecer novas diretrizes para a continuidade da vida.

Afinal, a aurora se faz extraordinária, explodindo em cores, a cada dia. E nos convida a amar, a não permitir que esse sentimento seque em nossa intimidade.

Porque Deus é amor, por amor nos criou e nos sustenta. Redação do Momento Espírita, com base no artigo Desencarnação de um ente querido, de José Couto Ferraz, da
RevistaPresença Espírita nº 317, de novembro/dezembro 2016,
ed. LEAL.
Compartilhe no Google Plus

Sobre o autor: Cele São Francisco de Assis

0 Comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *