Eutanásia em animais, esclarecimentos necessários

A vida continua
O CELE foi pioneiro (no Rio Grande do Sul) em atendimento espiritual à distância para qualquer tipo e tamanho de animais, todas as semanas temos uma quantidade crescente de pedidos e solicitações.

E através de um grupo diligente, o dirigente Pedro Fernando Gonzaga desdobra-se para atender e esclarecer este importante serviço.

Publicamos em 2010, dois artigos, de autoria de Marcel Benedeti, intitulado Eutanásia em animais, uma visão espirita,  os links para os artigos estão aqui Parte I e Parte II

Recebemos dezenas de comentários nestes artigos e para esclarecer o assunto, decidimos publicar um esclarecimento do dirigente do Grupo (leia abaixo), para que assim ficasse mais claro. A resposta refere-se ao leitor João Inácio, que publicou o comentário neste artigo.


"Primeiramente queremos esclarecer que a postagem referida, embora bem fundamentada por Marcel Benedeti é uma opinião pessoal e não é uma unanimidade na doutrina espirita. Muitos autores espiritas pensam diferente sobre o assunto. 

Quando a espiritualidade coloca ao nosso lado um irmão menor ela tem dois objetivos:

A primeira é fazer com que o espirito do animal progrida através de nosso ensinamento e a segunda é fazer com que nosso espirito progrida com os ensinamentos que recebe deste irmão menor. 

Isto acontece através das relações e acontecimentos durante o período de convivência. 

Fatos ocorridos servem para a evolução de um e outro espirito e são de caráter pessoal. 

Portanto a decisão de fazer ou não a eutanásia, neste caso, faz parte da evolução espiritual da tua irmã e só depende dela. 

A postagem citada serve como embasamento para sua decisão, outros pontos para avaliar a decisão: 

•Na resposta a pergunta 602 do livro dos espíritos encontramos que para os animais não há expiação.
•Sobre eles não atua a lei de causa e efeito e, portanto não há resgates a fazer. 

•Procurar 2º diagnostico. 

•Avaliar qualidade de vida. 

•Encaminhar nome ao Cele

•Pedir a espiritualidade que o intua sobre decisão a ser tomada. 

• Avaliar se método utilizado não causará mais sofrimento (considerar ortotanásia). 

Esperamos ter ajudado." 

Paz e Luz
Compartilhe no Google Plus

Sobre o autor: Geraldo V Laps

3 Comentários:

  1. Eu sou contra a eutanásia em animais. A dúvida que fica no ar é: por que a espiritualidade não leva o animalzinho sem que tenhamos que optar por sacrificá-lo? O sofrimento durante o período da doença já traz enorme lição para ambas as partes. Sabemos que para o animal não haverá nenhum resgate, independentemente da decisão, pois não tem consciência adquirida, mas e nós que autorizamos? Será que enquanto houver vida não devemos preservá-la? Não é Deus quem sabe o momento exato em que todos devemos partir? Por que Deus permitiria que um animal indefeso ficasse sofrendo desnecessariamente? Precisamos refletir um pouco melhor sobre isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo1:13 PM

      Penso como vc minha cachorrinha esta em final de vida não tem retorno é cancer ja foi operada uma vez ,e agora veio pra acabar com ,tem 16 anos ,mas não concordo com eutanásia , não consigo nem pensar no assunto ,se não há resgate então SÃO FRANCISCO DE ASSIS não é o protetor dos animais ?estou muito triste de perder minha companheirinha de tantos anos ,estou mantendo-a bem confortável dando agua com seringa ,,desculpe se escrevi bobagem estou nervosa ,muito obrigada

      Excluir
  2. A eutanásia é o ÚLTIMO recurso, quando o animal está sofrendo em demasia e nenhum medicamento é capaz de aliviar sua dor e sua doença for irreversível.
    Gilberto Pinheiro/espírita, palestrante em universidades e escolas sobre a senciência e direitos dos animais

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *