Um Mês com Bezerra de Menezes - Dia 31

O despertar de Bezerra. Paz e luz.

Um dia, perguntei ao Dr. Bezerra de Menezes qual foi a sua maior felicidade, quando chegou ao plano espiritual. Ele respondeu-me:

– Minha maior felicidade, meu filho foi quando Celina, a mensageira de Maria Santíssima, se aproximou do leito em que eu ainda estava dormindo e, tocando-me falou, suavemente: – Bezerra, acorde, Bezerra!

Abri os olhos e vi-a, bela e radiosa.

– Minha filha é você, Celina?!

– Sim, sou eu, meu amigo.

A mãe de Jesus pediu-me que lhe dissesse que você já se encontra na Vida Maior, havendo atravessado a porta da imortalidade. Agora Bezerra, desperte feliz.

Chegaram os meus familiares, os companheiros queridos das hostes espíritas que me vinham saudar. Mas, eu ouvia um murmúrio, que me parecia vir de fora. Então, Celina me disse:

– Venha ver, Bezerra. Ajudando-me a erguer-me do leito, amparou-me até uma sacada, e eu vi, meu filho, uma multidão que me acenava, com ternura e lágrimas nos olhos.

– Quem são, Celina? – perguntei-lhe. Não conheço ninguém. Quem são?

– São aqueles a quem você consolou, sem nunca perguntar-lhes o nome. São aqueles espíritos atormentados que chegaram às sessões mediúnicas e a sua palavra caiu sobre eles como bálsamo numa ferida em chaga viva; são os esquecidos da Terra, os destroçados do mundo, a quem você estimulou e guiou. São eles que o vêm saudar no pórtico da eternidade. . .

E o Dr. Bezerra concluiu:

– A felicidade sem limites existe, meu filho, como decorrência do bem que fazemos, das lágrimas que enxugamos, das palavras que semeamos no caminho, para atapetar a senda que um dia percorreremos.


Extraído do Livro O Semeador de Estrelas – Suely Caldas Schubert.

Comentários