O atraente mundo dos sonhos


No capítulo VIII de "O Livro dos Espíritos", questão 400 e seguintes, há minuciosa explicação sobre o atraente assunto dos sonhos, que todos freqüentemente temos. E na bibliografia espírita, inclusive os romances, e talvez principalmente nestes, as explicações sobre o assunto são variadas e satisfatórias.

É sempre bom, no entanto, insistirmos nessa meditação, visto que a prática tem demonstrado que importante intercâmbio entre os Espíritos desencarnados e os encarnados pode estabelecer-se quando dormimos e sonhamos.

Muitos amigos, mesmo de outras localidades do Brasil, freqüentemente nos participam dos sonhos que tiveram, e, pouco sabendo ainda das questões da vida espiritual, conseguintemente, da emancipação da alma, solicitam explicações precisas, que tranqüilizem as suas inquietações a respeito.

De princípio, devemos esclarecer que o melhor que todos temos a fazer para desdobrarmos essa tese e as demais que nos possam interessar, é recorrer aos livros básicos da Espiritismo para neles fazermos um estudo consciencioso. 

Em seguida, tomar dos demais códigos doutrinários, mas códigos legítimos, firmados pelos colaboradores de Allan Kardec, a fim de nos instruir da capacidade da alma humana e suas possibilidades. Mas, como o dever do adepto é jamais deixar passar a oportunidade de esclarecer aquele que o procura, interessado no aprendizado doutrinário, aqui trazemos a nossa contribuição para uma informação sobre os sonhos, a pedido de amável leitora de "Reformador", residente no interior do País.

A questão 401 de "O Livro dos Espíritos", interroga:

- "Durante o sono, a alma repousa como o corpo?"

Resposta: - "Não, o Espírito jamais está inativo. Durante o sono, afrouxam-se os laços que o prendem ao corpo e, não precisando este então da sua presença, ele se lança pelo espaço, e entra em relação mais direta com os outros Espíritos."

A questão 402 indaga:

- "Como podemos julgar da liberdade do Espírito durante o sono?"

Resposta: - "Pelos sonhos. Quando o corpo repousa, acredita-o, tem o Espírito mais faculdades do que no estado de vigília. Lembra-se do passado e algumas vezes prevê o futuro. Adquire mais potencialidade e pode pôr-se em comunicação com os demais Espíritos, quer deste mundo quer do outro."

Mais adiante, na mesma questão:

- "Graças ao sono, os Espíritos encarnados estão sempre em relação com o mundo dos Espíritos." (O parágrafo é extenso e não podemos transcrevê-lo na íntegra.)

Não obstante, a observação e a prática dos assuntos pertinentes à personalidade humana autorizam-nos a aceitar, convictamente, o seguinte, relativamente ao sonho:

Existem sonhos que não passam de frutos do nosso estado mental, ou nervoso, esgotado ou preocupado com afazeres e peripécias cotidianos. 

Outros, são reflexos, que nossa mente conserva, dos fatos comuns da vida diária, e agora repetidos como num espelho: fazemos então, durante o sono, os mesmos trabalhos a que nos habituamos durante a vigília; tornamos às mesmas conversações, discussões, etc., ou realizamos, por uma espécie de auto-sugestão, os desejos conservados em nosso íntimo, os quais não tivemos possibilidade de realizar objetivamente: viagens, visitas, posse de alguma coisa e, às vezes, algo nem sempre confessável. 

Esses sonhos são medíocres e, geralmente, se confundem com outras cenas, num embaralhamento incômodo, que bem atestam perturbações físicas: má digestão, excitação nervosa, depressão, etc. São, pois, mais reflexos da nossa vida cotidiana reagindo sobre o cérebro do que mesmo acontecimentos oriundos da verdadeira emancipação da alma. Comumente, tais sonhos acontecem durante o primeiro sono, quando as impressões adquiridas durante a agitação do dia ainda vibram em nossa organização cerebral não tranqüilizada apelo repouso.

Os verdadeiros sonhos, porém, diferem bastante dessas perturbações. É pela madrugada, quando nossas vibrações, mais tranqüilizadas, adquirem força de ação, que poderemos penetrar o campo propício às atividades reais do nosso Espírito.

Uma vez o nosso Espírito emancipado temporariamente durante o sono, partimos em busca de antigas afeições, momentaneamente esquecidas pela reencarnação, e nos deleitamos com sua convivência. Visitaremos amigos da atualidade, dos quais estávamos saudosos. 

Poderemos mesmo fazer novas amizades até em países estrangeiros, alargando, assim, o círculo de nossas afeições espirituais. Ao desencarnarmos, novos amigos encontraremos à nossa espera, a par dos antigos, a fim de que o amor se estabeleça em gerações humanas futuras, melhorando o estado da sociedade terrena. 

Poderemos trabalhar para o bem do próximo, encarnado ou desencarnado, sob a direção de mestres da Espiritualidade, ou, voluntariamente, obedecendo aos fraternos pendores que poderemos ter. 

Poderemos estudar e fazer verdadeiros cursos disso ou daquilo, assim armazenando preciosos cabedais morais-intelectuais nos recessos do espírito, cabedais que poderão aflorar em nossa vida de relação através da intuição, auxiliando-nos o progresso, nosso ou alheiro. Poderemos rever o próprio passado espiritual, levantando, por momentos, os véus do esquecimento para novamente vivermos cenas dos nossos dramas pretéritos, etc., etc. Mas, tais sonhos não são comuns. 

Trata-se mais de um transe anímico, uma crise, do que mesmo do sonho comumente compreendido. E poderemos ainda alçar-nos ao Espaço e assistir a acontecimentos, cenas, fatos pertinentes ao mundo espiritual, ou deles co-participar. E como o Invisível normal é parecido com a Terra, embora superior a ela e muito mais belo, julgamos mil coisas, ao despertar, sem atinarmos com a verdade. 

O médiuns, principalmente, logram sonhos inteligentes, de uma veracidade e precisão incomuns. São, freqüentemente, revelações que recebem dos amigos espirituais, instruções ou aulas, avisos de futuros acontecimentos, planos para desempenhos melindrosos, às vezes mais tarde confirmados pelos acontecimentos. 

A estes poderemos denominar sonhos magnéticos, visto que são como que transes provocados pela ação sugestiva dos instrutores invisíveis, que trabalham usando como elemento o magnetismo, tal como acontece com os operadores encarnados. Nessas condições, a emancipação da alma será mais pronunciada. 

E há até sonhos estranhamente coloridos, frutos de uma revelação, talvez até da contemplação de fatos presenciados no Além, não obstante a Medicina qualificá-los de fantasias e alucinações, denominando-os produtos do onirismo, quando a verdade é que se trata de uma faculdade a que chamaremos mediunidade pelo sonho, sobre a qual a Bíblia tanto informa.

Se, ao despertarmos, formos capazes de recordar tudo ou mesmo apenas fragmentos desses estados de emancipação da nossa alma, aí teremos os sonhos...

É bom lembrar que também poderemos resvalar, durante a mesma emancipação, para ambientes sórdidos, da Terra mesma ou do Invisível, conforme o nosso estado mental, moral e vibratório, e ali convivermos numa sociedade perniciosa, absolutamente inconveniente ao nosso bem-estar moral e espiritual. 

Se tais arrastamentos não forem vencidos pela nossa vontade, poderemos, ao fim de algum tempo, adquirir obsessões que variam do completo domínio da nossa mente, pelos obsessores, até a aquisição de vícios e arrastamentos torpes, que nos poderão desgraçar.

Todos esses acontecimentos deixarão atestados em nossas vibrações: ao despertarmos, estaremos tranqüilos, esperançados, reanimados para o bem e para o trabalho em prol do progresso, se alçamos às regiões educativas do Invisível; ou nos sentiremos deprimidos ou irritados, angustiados e ineptos, se nos rebaixamos a convivências perniciosas dos ambientes maus. 

Não confundir, no entanto, estados patológicos do esgotamento físico, que também nos farão despertar, pela manhã, completamente indispostos para a boa marcha da vida, com as observações acima expostas. Outrossim, a convivência espiritual má, durante o sono, poderá arrastar-nos a depressões generalizadas, redundando em enfermidades e até em obsessão, possivelmente, em suicídio.

Nossa personalidade é rica de poderes e possibilidades. Vale a pena, então, estudarmos a nós mesmos a fim de melhor nos conhecer, tratando de nos reeducar consoante as leis do bem e do equilíbrio moral e emocional. 

Oremos e vigiemos, fazendo por onde nos recomendar à assistência protetora dos Guias Espirituais, a fim de que os momentos do nosso sono se tornem em ensejos felizes para instrução, progresso, saúde e alegria para nós próprios. 

(Yvonne A. Pereira - Obra: À Luz do Consolador - edição FEB).

Comentários

  1. Temos nos sonhos uma ferramenta poderosa, que esta "bem de baixo do nosso nariz" e não damos bola. Mas se bem utilizada pode melhorar a vida do individuo e daqueles que estão ao seu redor se bem usada.
    É possível para todos nós lembrarmos de todos os 4 sonhos que temos por noite(dormindo 8 horas) em média, mas requer treino e acima de tudo, vontade e determinação. Existem técnicas inclusive para "despertar" durante o sonho, chamamos de sonhos lúcidos, é como se estivesse acordado, se faz o que tem vontade, e a sensação é mais real do que a que experimentamos em estado de vigília. A experiência é fantástica, mas até alcançar isso, muitos passos são necessários. Durante estes passos, tive sonhos que dias depois, aconteceram de verdade. Creio que deva acontecer o mesmo com muitas pessoas, porém, não lembram do que sonharam.
    Para quem quiser lembrar dos sonhos, uma técnica é antes de dormir, focar na intenção de lembrar dos sonhos no dia seguinte, dizendo para si mesmo na hora de dormir: "Amanhã ao despertar eu vou me lembrar dos meus sonhos!"
    E ao despertar, evitar se movimentar, e focar na lembrança dos sonhos, tentar lembrar dos detalhes e anotar tudo depois de lembrar. Ter isso organizado no que chamamos de diário onírico, ao qual é usado para registro de todos os sonhos lembrados, organizados por data, ajuda na lembrança dos próximos sonhos.
    Aqui seguem alguns links para quem tiver interesse no assunto, lembrando que nestes links, é comentado como alcançar isso, mas como e para que utilizar, vai do livre-arbítrio de cada um:
    http://www.youtube.com/watch?v=HTWvCSkC0cI
    e
    http://www.youtube.com/watch?v=SAOI93v_umI

    Ismael Volkmann Machado
    Escola de Médiuns - Módulo I
    Turma Sábados de Manhã.

    ResponderExcluir
  2. eu as vezes sonho e qd acordo mais cansada d qd fui durmi,é mto estranho,e outras noite sonho c meu pai q ja partiu e ele as vezes vem d roupa clara e sempre m avisa d alguma situaçoes
    MARLIZ SOUTO MODULO I

    ResponderExcluir
  3. Anônimo1:26 PM

    Achei muito importante este artigo, me esclareceu muito!!

    Elisiane Paim
    modulo 1- quinta-feira

    ResponderExcluir

Postar um comentário