O imortal Kardec

Há 208 anos nascia Hippolyte Leon Denizard Rivail, mundialmente conhecido como Allan Kardec (3 de outubro de 1804).


Pesquisador, cientista, aluno de Pestalozzi, Allan Kardec assumiria o papel de codificador da Doutrina Espírita, tornando-se o nome de referência para milhões de adeptos e simpatizantes do Espiritismo.

Leia a seguir um pensamento de Kardec, registrado no livro Obras Póstumas:

 “A ingratidão é uma das imperfeições da Humanidade e, como nenhum de nós está isento de censuras, é preciso desculpar os outros, para que nos desculpem, de sorte a podermos dizer como Jesus Cristo: “atire a primeira pedra aquele que estiver sem pecado”. Continuarei, pois, a fazer todo o bem que me seja possível, mesmo aos meus inimigos, porquanto o ódio não me cega. Sempre lhes estenderei as mãos, para tirá-los de um precipício, se se oferecer oportunidade. Eis como entendo a caridade cristã. Compreendo uma religião que nos prescreve retribuamos o mal com o bem e, com mais forte razão, que retribuamos o bem com o bem. Nunca, entretanto, compreenderia a que nos prescrevesse que paguemos o mal com o mal.

O professor de ciências de 50 anos, Leon Hypollite Rivail, compareceu numa noite de maio de 1855, a reunião das mesas girantes aconteceu na casa de uma senhora chamada Plainemaison. Mais tarde, ele contaria como a visita o deixou impressionado. As mesas, segundo ele, não só giravam como batiam no chão e se moviam “em condições que não deixam margem a qualquer dúvida”. A reunião na casa da sra. Plainemaison deixou Rivail aturdido. “Entrevi naquelas aparentes futilidades, no passatempo que faziam daqueles fenômenos, qualquer coisa de sério, como que a revelação de uma nova lei, que tomei a mim investigar a fundo”, escreveria o professor, anos depois.

Foi a partir desta visita que o professor Rivail, discipulo de Pestalozzi, iniciou suas pesquisas que culminou na elaboração e publicação do Livro dos Espiritos, que contém toda a base da doutrina espírita. 

Fonte:  FEB

Comentários