Presentes da Vida

É inegável que as obrigações da vida terrena não são de pequena monta. As necessidades do cotidiano nos conduzem a inúmeras preocupações.

Por isso, estamos sempre envolvidos com os afazeres diários, os desafios que se sucedem e as dificuldades que se apresentam a cada passo.

Nossa casa mental está de contínuo às voltas com as coisas do cotidiano, com o bem conduzir da existência física.

Assim, haverá dias em que nossas preocupações serão de ordem econômica, quando as contas e os compromissos financeiros tomam nossas energias e nosso tempo para a solução devida.

Outros, serão os dias onde os problemas familiares e as relações mais íntimas serão a tônica das dificuldades, nos exigindo esforços na busca de alternativas para essa ou aquela contenda.

Não serão raros, ainda, os dias onde as demandas estarão no campo profissional, a nos exigir constantes atualizações, reciclagem, quando não, a própria busca do emprego.

Essas são preocupações e dificuldades naturais da vida física, que sempre serão oportunidades de aprendizado e de crescimento moral e intelectual.

Esse é o verdadeiro sentido da vida, e essa é a proposta de Deus para cada um de nós.

Ao nascermos, todo um planejamento, por parte da Providência Divina, já está estruturado, pensado e programado para que possamos bem aproveitar essa grandiosa viagem pelo planeta.

Assim, a tudo isso que, costumeiramente, chamamos de problemas, dificuldades, desafios, ou ainda, as dores, decepções, são presentes que a vida nos oferece.

É verdade que, a princípio, parece um tanto estranho dizermos que isso tudo, que todas essas coisas que muito nos consomem os dias e as energias de maneira tão intensa, sejam presentes da vida.

Para ser um presente, pensamos, deve nos agradar, tem que ser algo útil, ou ainda, que tenha sido especialmente pensado para nós.

Mas não é de outra forma que Deus assim age, quando nos oferece esses presentes.

Ao entendermos que a vida é aprendizagem para o Espírito, e que nascemos para que o progresso e a melhora se façam em nossa intimidade, ela ganha um novo sentido.

Com esse entendimento, veremos em cada dificuldade, em cada desafio, a oportunidade do crescimento íntimo.

E perceberemos, a partir daí, que o Senhor Deus jamais busca o castigo e a reprimenda de Seus filhos, como se falsamente amasse mais a uns do que a outros.

Dessa forma, se recebermos a visita da dificuldade, da dor, do problema aparentemente insolúvel, percebamos nisso a oportunidade do aprendizado.

Sob a tutela de Deus, todas as nossas dificuldades foram previstas, programadas e permitidas para que nosso aprendizado se faça.

E ainda, para que a vida não se perca nas nulidades e vazios que nada promovem a alma.

Afinal, seremos nós mesmos, Espíritos imortais, que logo mais, quando a vida física se encerrar, retornaremos à pátria espiritual com todas as conquistas e aprendizados que esses presentes conseguiram moldar em nossa intimidade.

Redação do Momento Espírita

Comentários