Perdendo tempo

DSC_0048Image by proteinbiochemist via Flickr
Sempre há em nossas vidas aqueles momentos de reflexão mais profunda. Sempre haverá dias onde a alma se propõe a fazer um balanço da própria vida.

Algumas vezes isso se dá em dias de aniversário, onde a contagem de mais um ano propicia tal reflexão. Também nos ocorrerá algumas vezes no Reveillon, quando o rito da passagem de ano nos enseja muitas questões.

Outras vezes paramos para pensar sobre o tempo e a vida, e a vida que levamos, quando alguma perda mais intensa nos ocorre, como por exemplo, a desencarnação de um ente querido.

Inevitavelmente, os dias de balanço e análise da vida chegam. E devem chegar realmente, pois são extremamente oportunos.

Afinal, ninguém conseguirá o sucesso de uma longa empreitada sem fazer avaliações e análises periódicas, a fim de saber a quantas anda e por quais caminhos segue.

Toda análise irá provocar algumas reflexões em torno da tarefa. E será a boa reflexão que nos dirá se os caminhos e direções que estamos a percorrer são os melhores e os mais significativos.

A vida é rica em experiências por demais importantes para que percamos tempo, ou para que o tempo escoe vazio pelas nossas mãos.

Vivemos com o propósito do aprendizado, do aprender a ser, na desafiadora tarefa de construir em nossa intimidade o reino de Deus, na figura de linguagem tantas vezes utilizada por Jesus.

Desta forma, é claro perceber que a vida tem um significado muito importante para cada um de nós. E não devemos nos desviar desse significado.

São muitos os que nos perdemos na vida, buscando significado naquilo que nada significa.

Passamos incontáveis horas do dia e muitos anos da vida a juntar dinheiro, como sendo esse o verdadeiro significado.

Outros, desperdiçamos as horas abençoadas da vida fugindo de nós mesmos, pelos caminhos do álcool, das drogas químicas, dos relacionamentos sexuais vazios.

Por isso, a necessidade de vez por outra fazermos um balanço de nossa vida. Buscarmos entender onde e para que pulsa nosso coração.

Afinal, onde estiver nosso coração aí estarão nossos tesouros, lembra-nos Jesus. E será com esses tesouros que retornaremos à nossa verdadeira casa, o mundo espiritual.

Assim, quando esses momentos de reflexão nos surgirem, permitamo-nos fazer um balanço de nossa vida. Analisemos em que estamos utilizando as horas, em que estamos depositando nossa energia e esforço.

E será a resposta sincera dessa análise que nos dirá se as horas de nossa vida vêm sendo bem utilizadas ou apenas as estamos perdendo.

Percebamo-nos como um Espírito imortal que efetivamente somos, momentaneamente reencarnado.

Com essa perspectiva, mais fácil nos será a análise, a fim de descobrirmos se nossas horas vêm sendo bem empregadas, ou se esses são apenas dias de perda de tempo.

Redação do Momento Espírita.

Comentários