O Espiritismo não necessita de curso superior

Allan KardecImage via Wikipedia
Tomamos conhecimento que começa a funcionar, no ano que vem, o primeiro curso superior de Teologia Espírita do Brasil. A partir do ano que vem, os adeptos da doutrina poderão estudá-la com direito a diploma, beca e tudo o mais que uma graduação universitária dá direito. Foi o que decidiu o Ministério da Educação ao autorizar, em setembro, o funcionamento do primeiro curso de bacharelado em Teologia Espírita do Brasil, que será ministrado na Faculdade Dr. Leocádio José Correia, em Curitiba (PR).


As inscrições para o vestibular estarão abertas até 13 de dezembro e os candidatos que disputarão as 100 vagas oferecidas terão de passar, também, por uma entrevista com especialistas.

POSIÇÃO DA USEERJ (ATUAL CEERJ) EM 2002

Sobre essa questão, desde 17 de dezembro de 2002, a USEERJ, hoje CEERJ, enviou uma correspondência ao Movimento Espírita, deixando bem clara a posição da sua diretoria contra o Ensino Teológico Espírita no Brasil.

No primeiro parágrafo da referida carta, destacamos a seguinte expressão de Emmanuel, coligida do livro Coletânea do Além – Dicionário da Alma, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, “A Teologia, na maior parte das vezes, é o museu do Evangelho”.

Para fundamentar a nossa posição, contrária à criação do referido Curso, destacamos, também, as seguintes considerações do Benfeitor Espiritual Emmanuel na página “Espiritismo e Nós”, publicada no Livro da Esperança:

Todas as religiões cultivam rigoroso sentido de Seita, mantendo a segregação dos profitentes. 

A Doutrina Espírita, revivendo o Cristianismo puro, é a religião da solidariedade.

Contudo, se nós, os espíritas encarnados e desencarnados, abraçarmos aventuras e distorções, em torno do ensino espírita, ainda mesmo quando inocentes e piedosas na conta da fraternidade, levantaremos novas inquisições do fanatismo e da violência contra nós mesmos (...).

Todas as religiões garantem retiros e internatos, organizações e hierarquias para a formação de orientadores condicionados, que lhes exponham as instruções, segundo o controle que lhes parece conveniente.

A Doutrina Espírita, revivendo o Cristianismo puro, é a religião do esclarecimento livre (...).

Todas as religiões, de um modo ou de outro, alimentam representantes e ministérios remunerados. A Doutrina Espírita, revivendo o Cristianismo puro, é a religião da assistência gratuita.

No entanto, se nós, os espíritas encarnados e desencarnados, fugirmos de agir, viver e aprender à custa do esforço próprio, incentivando tarefeiros pagos e cooperações financiadas cairemos, sem perceber, nas sombras do profissionalismo religioso. (grifo nosso)

A PROPOSTA DO CURSO AO MEC

A Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas – SBEE, originalmente denominada Agrupamento Espírita Afonso Penna, com sede na Rua 29 de Junho nº 504, em Curitiba, PR, é uma instituição filantrópica e beneficente criada em 1953, reconhecida como de utilidade pública federal, estadual e municipal, tendo como proposta a criação de uma massa crítica na interpretação e divulgação do Espiritismo sob uma nova visão à luz da Ciência, Filosofia e Religião, a teor das informações inseridas no seu site virtual.

Sob a ótica dessa proposta, a entidade pleiteou e conseguiu junto ao Ministério da Educação a autorização para implementar o primeiro curso de bacharelado em Teologia Espírita no Brasil, a ser ministrado por estabelecimento educacional então criado, qual seja a Faculdade Dr. Leocádio José Correia, manutendida pelo Lar Escola Dr. Leocádio José Correia, braço assistencial da Sociedade em questão.

Debalde a autorização ministerial para o funcionamento do curso em comento datar de setembro de 2002, já em agosto do mesmo ano, portanto um mês antes, a Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas editou Proposta da Portaria nº 2501 (30.08.2002) instrumentalizando as ações e diretrizes cursivas, com curriculum pleno, especialização do corpo docente abrangendo ética, sociologia, antropologia, transdisciplinaridade, filosofia, estudos das religiões etc., número de vagas, duração, inscrições e outras instruções, além da compulsória grade com as disciplinas por período e carga horária.

ANÁLISE DA PROPOSTA

A Proposta básica do Curso de Bacharelado em Teologia Espírita, como apresentada pela SBEE, é a de possibilitar o estudo sistemático e acadêmico, da Doutrina dos Espíritos, no sentido de reconceituar o Espiritismo no Brasil.

Ora, reconceituar no sentido etimológico da palavra, quer significar conceituar novamente, isto é, formar novo conceito, nova classificação, nova consideração etc. Assim, a proposta da SBEE, na estrita observância do vocábulo, visa dar novo conceito ao Espiritismo no Brasil, o que será possível – ainda segundo o entendimento da entidade – graças à experiência de coordenadores de grupos que vêm estudando os fundamentos da Doutrina dos Espíritos há quase 50 anos.

A empreitada proposta pelo Curso ora autorizado é temerária e imprudente, na medida em que a Doutrina Espírita, por Verdade Eterna advinda da Nova Revelação, não admite novos conceitos senão aqueles que nos chegaram através da Espiritualidade Superior, ou interpretações outras que não aquelas fundamentadas pelo Codificador, Allan Kardec, no pentateuco espírita, coletânea fruto do intercâmbio com o Mundo Maior.

Falar-se assim em reconceituar o Espiritismo é, na pior das hipóteses, considerar que tudo aquilo que aprendemos, sentimos e aplicamos no tríplice aspecto da Revelação – ciência, filosofia e religião - se encontra ultrapassado e desatualizado merecendo, pois, ser repensado, reescrito e reestudado.

Esquece-se, porém, a SBEE que os ensinamentos doutrinários, base do Espiritismo, não se encontram assentados sobre dogmas ou pontos irreversíveis que fazem hoje grande número de incrédulos; ao contrário, a verdade espírita solidificou-se e perpetuou-se sobre a fé raciocinada, que se apóia sobre fatos e lógica, não deixando atrás de si qualquer obscuridade (ESE, Cap. XIX, item 7).

Assim, sob os aspectos de conveniência e oportunidade, não vê a União das Sociedades Espíritas do Estado do Rio de Janeiro – USEERJ qualquer alcance prático, pedagógico ou esclarecedor quanto à temática cursiva ora proposta. Ao contrário, esse tipo de tentativa pedagógica, que se lastreia basicamente na idéia de reconceituar o Espiritismo, pode levar a uma indesejável desvirtuação dos verdadeiros objetivos da Doutrina Espírita que, como Cristianismo Redivivo (Cristianismo do Cristo), deve se pautar pela mais absoluta pureza da verdade evangélica, ou seja, a prática doutrinária não pode e nem deve romper a simplicidade recomendada por Jesus de “dar de graça o que de graça recebemos”.

Muito embora o aspecto religioso da Doutrina Espírita tenha, de fato, um conteúdo teológico, o seu ensino no tríplice aspecto - ciência, filosofia e religião -, não deve ser objeto de profissionalização, pois que o estudo acadêmico implica necessariamente em remuneração pecuniária, o que levaria o Espiritismo a incorrer no mesmo erro cometido pelas religiões formalistas. 

Em tal caso, o Espiritismo, em seu aspecto religioso, passaria a formar com essas religiões mais uma escola teológica a nível acadêmico, o que resultaria no estabelecimento de hierarquias no campo doutrinário, a exemplo do que aconteceu com tais religiões, as quais, por isso, perderam conteúdo ao se afastarem da verdade contida no Cristianismo, conforme nos ensina o Espírito da Verdade (ESE, Cap. VI, item 5):

“No Cristianismo encontram-se todas as verdades; são de origem humana os erros que nele se enraizaram”.

Destarte, devemos ter em mente, sempre, a lição de Emmanuel que, pela pena do Irmão-Amor Francisco Cândido Xavier, nos ensinou que:

“Todas as religiões são credoras de profundo respeito e de imensa gratidão pelos serviços que prestam à Humanidade.

Nós, porém, os espiritas encarnados e desencarnados, não podemos esquecer que somos chamados a reviver o Cristianismo puro, a fim de que as leis do Bem Eterno funcionem na responsabilidade de cada consciência”.

Entendemos que a re-conceituação do Espiritismo, como proposta pela Faculdade Dr. Leocádio José Correia, é quimera semântica que objetiva simplesmente arregimentar curiosos a um curso regular em que se apreciará os aspectos teológicos da religião espírita.

Como o apóstolo Paulo asseverou em sua primeira carta aos Tessalonicences: examinai tudo e retende o bem, é necessário que cada um de nós, individualmente, analise, investigue e critique a presente Proposta para verificar se essa se enquadra às necessidades de aperfeiçoamento do Espiritismo e dos seus seguidores, porquanto, o verdadeiro Espírita, conhecido através de características pessoais, abstém-se formalmente do profissionalismo religioso.

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONTRÁRIAS A CRIAÇÃO DO CURSO

O Espiritismo, doutrina consoladora, lança luz sobre uma multidão de pontos obscuros; entretanto, não a lança inconsideradamente. 

Os Espíritos procedem nas suas instruções com uma admirável prudência; não foi senão sucessiva e gradualmente que abordaram as diversas partes conhecidas da doutrina e é assim que as outras partes serão reveladas à medida que o momento tenha chegado para fazê-las sair das sombras (...) Se, pois, os Espíritos não dizem ainda tudo ostensivamente, não é porque haja na doutrina mistérios reservados a privilegiados, nem que coloquem a candeia sob o alqueire, mas porque cada coisa deve vir no seu tempo oportuno (ESE, Cap. XXIV, item 7)

Assim qualquer reconceituação do Espiritismo, na acepção ampla do vocábulo, deverá chegar-nos no momento e tempo certos, pela via da Espiritualidade Superior. Só ela, mercê de Deus, é fonte apta a tal instrução, se assim for julgado necessário.


Fonte: editorial@febrasil.org.br  (publicado no blog de Jorge Hessen)



Comentários

  1. Cara, sinceramente, comecei a ler e parei na terceira linha....

    ResponderExcluir
  2. Que a chuva da paz, da esperança, da felicidade e do amor te peguem com o guarda-chuva quebrado e molhe a todos que estejam ao teu redor. FELIZ ANO NOVO!

    ResponderExcluir

Postar um comentário