Onde está o Mentor?


Nota-se uma certa tendência, na atualidade, das pessoas incorporarem, às suas vidas, novas idéias ou conhecimentos relativos à vida espiritual.

Estamos na "nova era" e todos já devem estar cansados de ouvir - e ler- que as coisas estão mudando e que o intercâmbio entre os mundos físico e espiritual tende a aumentar.

Nosso povo, conhecido pela facilidade de familiarizar-se com todos e com tudo, tem feito muitas "amizades" com os irmãos do "lado de lá". Como a Doutrina Espírita é muito difundida por aqui, e diversas são as lições aprendidas por nós, alguns fatos têm se tornado muito popularizados e tratados de uma forma interessante - para quem se atenta a observar. Dentre vários desses assuntos, o que nos chama mais a atenção, nesse momento, é o relacionado com o Mentor.

Anjos da Guarda, Guias, Mestres interiores, etc, nunca estiveram tão popularizados e tão íntimos como atualmente, na visão espírita de Mentor.

Quando, em "O Livro dos Espíritos" de Allan Kardec, lemos as observações relativas a esses nossos amigos e protetores invisíveis, observamos a seriedade e o respeito com que Kardec se dirige a eles. No livro "Nosso Lar", ditado pelo espírito de André Luiz a Chico Xavier, esse respeito e seriedade ficam muito mais evidentes, principalmente quando nos mostram o trabalho desses abnegados servidores do Cristo, de uma forma mais abrangente.

Observem que conotamos os mentores como "servidores do Cristo", e não "nossos servidores". Embora possa parecer o óbvio, não é o que acontece na prática. Somos surpreendidos , às vezes, ouvindo alguém dizer: "meu mentor é meu amigo, ele fecha os olhos para algumas coisas"; ou, "onde estava meu mentor para deixar isso acontecer?" Ou ainda: "se faço algo errado, não há problema, pois meu mentor me conhece e sabe que não fiz por mal".

Há também aqueles que, por estudarem superficialmente a Doutrina, acabam confundido - ou não - sua própria vontade e decisões com o que supõem ser a vontade do mentor. Tentam impor suas idéias e conceitos e, para dar o cunho de "ordem superior", concluindo seus argumentos com a célebre frase: "quem me pede para assim dizer é o meu mentor!"

Kardec demonstrou-nos, pela sua obra e, principalmente pela sua conduta, que a razão deve ser sempre utilizada quando tratar-se de intercâmbio entre os planos, pois além de ser um campo que necessita de muito estudo de nossa parte, podemos ainda, receber a influência de entidades espirituais que se aproveitem desse nosso descuido e causem danos a nós e aos outros.

A vida, quando encarnados, é de suma importância para o nosso progresso evolutivo. Toda ela é planejada exaustivamente pelos espíritos superiores, preocupados em que tenhamos um bom aproveitamento. Além disso, para que tenhamos sempre uma orientação segura no nosso caminho, permitem, por determinação do Altíssimo, que Espíritos sérios, evangelizados e cientes das realidades eternas, nos acompanhem na caminhada terrena.

Desnecessário deveria ser, enfatizar o respeito e gratidão que todos nós devemos a esses irmãos. Ensinaram-nos os espíritos, através da razão de Kardec, que quando atribulações se apresentem às nossas vidas, devemos ter a certeza de que será apenas um remédio amargo, mas necessário para a saúde do espírito, e que, com a fé e a paciência que o Evangelho nos ensina (e que os mentores fazem o possível para lembrar-nos), em breve passarão.

Quem é nosso mentor, é uma curiosidade que muitos têm e desnecessária, por sua vez. Grandes espíritos passaram anônimos pelo planeta, realizando grandes tarefas pela humanidade e muitos outros continuam realizando da mesma forma. O importante é entendermos - e praticarmos- os ensinamentos contidos na doutrina que abraçamos.

Respeitar e amar o nosso próximo é um dos grandes ensinamentos de Jesus, e pelo que aprendemos no Espiritismo, será que existe alguém mais próximo a nós do que o mentor?

Autor: Humberto Pazian
Fonte: Portal do Espírito

Comentários

  1. Olá Geraldo!
    Eu leio algumas coisas a respeito, assisto filmes (com certeza o Nosso Lar será um deles), ouço algumas teorias, enfim...já vi e ouvi de tudo um pouco. Tenho comigo que o meu mentor não é aquele que fica me "impedindo" de fazer algo ou simplesmente me protegendo. Acho que é "quem" me ajuda a abrir mais o meu espírito e perceber algumas coisas. Sempre questiono muito quando qualquer assunto está ligado ao livre arbítrio. Acho que estou sendo preparada para uma passagem...posso estar muito enganada, mas com certeza alguém, nesse sentido, me ajuda. Outro dia me aconteceu um fato muito curioso. Eu estava na sala assistindo TV e de repente cochilei. Para mim eu estava acordada porque vi e senti absolutamente tudo. Eu tinha por perto umas 3 "pessoas", vestidas de branco e elas me mostravam um portão, bem distante, como se fosse de uma fazenda...eles me diziam que por trás daquele portão havia muito para eu enxergar, assim como bem próximo a mim também. Nesse momento "eles" me deram óculos e quando o coloquei vi muitas "pessoas" ao meu redor e adiante, no tal portão, muitos outros vestidos de preto...Parecia tão real, te juro que pude sentir até a brisa que tinha no lugar, como se fosse uma extensão de minha sala. Enfim, me tiraram os óculos e apenas me disseram que enquanto eu não me "permitisse" enxergar a realidade, "eles" voltariam de vez em quando e me dariam os óculos até eu compreender o significado de tudo, inclusive da presença "deles"...mas que, "eles" sempre estavam por perto. Acordei e foi como se ainda pudesse vê-los se afastando... Achei uma experiência incrível e que, desde então, tem me feito refletir, pensar e tentar entender. A pergunta que te faço é: seria isso "obra" de meu mentor ou seria "ele" uma dessas "pessoas" que me deu os óculos?
    Penso muito, amigo...um dia quero conversar melhor contigo sobre isso.
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir

Postar um comentário