Joey era uma criança com desenvolvimento aparentemente adequado até que, aos 11 anos, foi acometido da Síndrome do pânico.

Mostrava um medo profundo de lugares abertos e públicos e ficou quase um ano confinado ao quarto.

Após 11 meses de tentativas de tratamento, finalmente, um psiquiatra lhe receitou o remédio que apresentou efeito terapêutico adequado.

A causa desse distúrbio psíquico, disseram os médicos, fora uma disfunção de aprendizado não percebida, que acabara por se refletir em sua área psicológica.

Com o controle da Síndrome do pânico os pais enfrentaram um novo desafio: encontrar uma escola especializada em disfunções de aprendizado.

No entanto, as escolas contactadas não o aceitavam, alegando que seus alunos possuíam apenas distúrbios educacionais e não emocionais e que não estavam preparadas para recebê-lo.

A mãe desejava matriculá-lo em uma escola que ficava perto de sua casa e que desfrutava de excelente reputação. Mas a matrícula foi várias vezes negada.

Certa noite, a mãe compareceu a uma festa de caridade. Sentou-se ao lado de uma mulher chamada Bárbara, que ela conhecia vagamente.

Repentinamente, sem saber como, a genitora do garoto se viu abrindo o coração àquela senhora, sobre as dificuldades em matricular seu filho.

Ao final da narrativa, Bárbara, emocionada, disse-lhe, para sua surpresa, que era vizinha do fundador e diretor da escola desejada, além de contribuir para a mesma. Prometeu-lhe ajuda.

Através de sua influência, Joey foi finalmente aceito para o ano seguinte e, durante o tempo que lá estudou teve excelente aproveitamento, figurando, pela primeira vez na vida, entre os melhores alunos.

Um ano após aquele encontro, o marido de Bárbara faleceu.

A mãe de Joey compareceu ao funeral e, ao ver uma mulher ao lado da viúva, indagou sua identidade a uma pessoa. Era a filha de Bárbara. Neste momento a emoção foi imensa. Sua memória voltou 25 anos no tempo.

Lembrou-se de sua viagem de formatura de segundo grau. Ela se oferecera para dividir o quarto com uma aluna que entrara em sua turma naquele ano. Chamada de retardada pelas colegas a caloura sofria forte preconceito.

Seus olhos se encheram de lágrimas: 25 anos antes ela ajudara voluntariamente a filha de Bárbara e, há um ano, sem nada saber, esta ajudara seu filho!
*   *   *

Talvez nossa mente ainda não tenha a capacidade de reter todas as lembranças vivas no que chamamos de memória, mas, felizmente, a memória Divina é infalível.

Quando fazemos o bem sem interesse oculto, o feito não passa despercebido.

A Lei de Causa e Efeito jamais falha, mesmo que muito tempo se passe, pois o tempo nada significa na imensa jornada que nosso Espírito empreende em busca de sua evolução.

Todo o bem que fazemos a outrem é como semente que plantamos e cujos frutos, cedo ou tarde, haveremos de colher.

Pensemos nisto!

 
Redação do Momento Espírita com base no artigo intitulado A semeadura, de José Ferraz, publicado na revista Presença Espírita de novembro/dezembro  de 2009, ed. Leal.

Comentários

  1. Muito bom texto, obrigado por porporcionar esta boa leitura.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  2. ai amigo, a historia é emocionante. Juntamente com o destino, acontece dessas...O que voce fez no passado, ter o retorno no presente.
    abçs

    ResponderExcluir

Postar um comentário