A Bicicleta e o Ciclista


“O Espírito independe da matéria, ou é apenas uma propriedade desta, como as cores o são da luz e o som o é do ar?”

“São distintos uma do outro; mas, a união do Espírito e da matéria é necessária para intelectualizar a matéria”.

(“O Livro dos Espíritos”- Questão nº 25.) Não há controvérsia em expressões assim:
— Fulano tem espírito — é inteligente.
— Beltrano é espirituoso — possui senso de humor. — Cicrano é espiritualizado.
— Cultiva valores morais.

A dificuldade surge quando empregamos a palavra espiritualista para designar pessoas que admitem a existência da Alma, a individualidade eterna que sustenta o corpo físico e o situa como um ser pensante.

Para muitos se trata de mera fantasia religiosa, sem base científica.

Concebem que capacidade de pensar é mero resultado da organização e do funcionamento de células cerebrais, que produzem o pensamento, assim como o fígado produz bile ou as glândulas de secreção interna produzem os hormônios.

Afirma jocosamente o patologista:
— Dissequei centenas de cérebros. Jamais encontrei o Espírito.

Interessante frase de efeito que não diz nada.

Porventura teria ele desvendado misterioso mecanismo a gerar o pensamento no interior das células?

Alguma pesquisa teria surpreendido idéias sendo produzidas pelos neurônios, da mesma forma que o pâncreas secreta a insulina?

A matéria não pensa. Situemos, a título de ilustração, algo bem simples: A bicicleta.

Trata-se de um veículo de transporte muito eficiente que, para movimentar-se, não prescinde da força motriz gerada pelo ciclista.

O corpo é a bicicleta que o Espírito usa para a jornada humana.

A bicicleta sem o ciclista é um objeto inanimado. O corpo sem o Espírito é mero aglomerado de células em desagregação.

A união do Espírito com o corpo intelectualizou a matéria, transformando o ancestral símio antropóide num ser pensante, da mesma forma que a presença do ciclista torna a bicicleta um veículo andante.

Em defesa da tese materialista, que nega a individualidade espiritual que anima o ser humano, fala-se em paralelismo psicofisiológico.

Trocando em miúdos:
O homem é um produto de seu próprio cérebro. Por isso, o que lhe afeta os miolos repercute em sua atividade motora, sensorial, intelectual, mental...

Proclama o materialista:
— A prova de que a inteligência independe da suposta presença do Espírito está no fato de que se ocorrer um problema qualquer com o tecido cerebral teremos dificuldade para exercitar as funções intelectivas e fisiológicas. Raciocínio simplista.

Sendo o cérebro o instrumento de sua manifestação no plano material, obviamente o Espírito estará na dependência dele. O ser imortal pode ser muito inteligente, muito culto, mas se a caixa craniana apresentar grave disfunção teremos um deficiente mental.

Algo semelhante a um ciclista que ficará impossibilitado de transportar-se em sua bicicleta se um pneu furar ou romper-se a corrente que traciona as rodas.

Um exemplo mais ilustrativo:
Quando falo ao telefone, seria o cúmulo da ingenuidade meu interlocutor imaginar que conversa com meu aparelho. O telefone é apenas o instrumento de nosso contato. Se apresentar defeito a comunicação ficará prejudicada. Devemos atentar, ainda, para outro aspecto que liquida a tese materialista.

Há doentes mentais submetidos aos mais sofisticados exames que não revelam nenhuma disfunção orgânica, nem mesmo nos circuitos cerebrais. Enigmas para os médicos, que se limitam a prescrever lhes tranqüilizantes.

A Doutrina Espírita explica que o problema é decorrente de uma obsessão. O paciente tem comprometida sua integridade mental pela influência de inimigos espirituais.

O tratamento em hospitais psiquiátricos espíritas — passe magnético, água fluída, sessões de desobsessão, reuniões evangélicas — opera prodígios, afastando os obsessores e promovendo a cura do paciente.

Isso não ocorre apenas com problemas mentais.

Há casos em que a ação do obsessor provoca males físicos que desafiam a Medicina.

Durante meses um homem sofreu dores intensas nas pernas. Os médicos não conseguiam um diagnóstico. Exames clínicos e laboratoriais nada revelavam.

O paciente irritava-se quando lhe diziam que se tratava de um problema psicológico. Esbravejava:
— Dor não tem psicologia!

Mesmo assim, em desespero, submeteu-se à Psicanálise. Resultado nulo.

Saturado de tanto sofrer pedia que lhe amputassem as pernas. Um amigo o convenceu a procurar o Centro Espírita. Lá explicaram-lhe que estava sendo assediado por um Espírito que, a pretexto de vingar-se de passadas ofensas, impunha-lhe aquela tortura.

Ficou sabendo que em vida passada assassinara aquele que hoje o martirizava. Quebrara suas pernas, abandonando-o em região deserta, atormentado por dores intensas.

Durante alguns meses submeteu-se ao tratamento com passes magnéticos e água fluída. Recebeu orientações quanto ao estudo, a reforma íntima, a prática do bem...

Seu empenho, aliado às reuniões de desobsessão e à interferência de benfeitores do além, modificaram as disposições de seu perseguidor. Sensibilizado, disposto também à renovação, ele se afastou.

Em breve, como por encanto, as dores desapareceram. No livro “O Que é a Morte” Carlos Imbassahy vai mais longe: “Há um fato desconcertante para a Fisiologia e sobretudo para os fisiologistas, no caso das lesões cerebrais, isto é, quando há operações em partes essenciais do cérebro sem que a consciência e a inteligência fossem suprimidas ou mesmo alteradas.”

Dentre inúmeras citações que ilustram sua afirmação, reporta-se a um suboficial da guarnição de Antuérpia, na Primeira Guerra Mundial, que durante anos sofreu persistente dor de cabeça. Não obstante, cumpria normalmente suas obrigações.

Morto repentinamente, foi submetido à autópsia. O patologista constatou, surpreso, que ele tivera um tumor na cabeça.

O cérebro estava reduzido a uma pasta purulenta. Incrível que tenha conservado a sanidade mental e motora, sobrevivendo à desintegração da massa encefálica! Comenta Imbassahy:

“Em suma, o que a Fisiologia descobriu é que, normalmente, comumente, o cérebro é necessário à manifestação do Espírito. O estudo de determinados fatos fisiológicos, psíquicos ou metapsíquicos, provam, entretanto, que a dependência não é constante, absoluta.

O Espírito faz-nos, por vezes, o efeito de certos mágicos a quem se amarra ou acorrenta com laços e cadeias irremovíveis; ei-los, porém, que se desembaraçam, não se sabe como, e se apresentam em cena, sorridentes, completamente livres.

O mecanismo cerebral é inútil como prova a favor das doutrinas materialistas.”

Mais cedo ou mais tarde a Ciência admitirá o fundamental:
O homo sapiens que há muito domina a Terra é apenas uma manifestação do Espírito eterno que intelectualiza a matéria em favor de suas experiências evolutivas nos domínios da carne.

Sem o binômio corpo-espírito jamais se operaria o desenvolvimento mental que retirou o Homem do fundo das cavernas para elevá-lo às culminâncias da civilização tecnológica.

Richard Simonetti
Compartilhe no Google Plus

Sobre o autor: CELESFA

0 Comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *