Esse incrível amor...


Dizem que é este arroubo que faz o coração disparar, o sangue fluir ao rosto, as pernas tremerem ante a visão do ser amado.
 
Afirmam que amar é abraçar forte e, abraçados, assistirem o sol se aconchegar no poente, para adormecer até ser despertado pela manhã.
 
Falam que o amor é este sentimento que emula o ser a escrever poemas, a declamar sonetos e compor serenatas...
 
Sim, tudo isto são expressões do amor. Do amor de um ser para o outro.
 
Mãos que se entrelaçam, corpos que se aproximam, que se movimentam ao som da música que os embala. Abraços, beijos.
 
Mas o amor verdadeiro é quando tudo isso persiste após anos de convivência. Amar é sentir prazer de estar com o outro, ouvi-lo, acalentá-lo. Nos dias tristes, o amor é a nota melódica que cantarola esperança em ouvidos atentos. É fazer uma declaração de amor, cantando versos, depois que as rugas fizeram arabescos na face e os cabelos se tingiram de neve e prata, ao toque dos delicados dedos do tempo.
 
Amar é, depois de filhos crescidos, netos à vista, dançar à luz do luar, no jardim da casa, na varanda do apartamento, observados por um céu de estrelas.Amar é surpreender o outro com uma flor, um mimo em data qualquer. É sair para tomar um suco, um só, no mesmo copo, com dois canudinhos. Só para poder encostar o nariz um no outro e os olhos sorrirem. É repartir a pizza, para dividir as calorias. É tantas coisas pequenas, grandes, imensas...
 
É dizer: Deixe que eu faço.Você está tão cansada.
 
É buscar as crianças, banhá-las, dar-lhes o lanche e quando ele chegar, estar pronta para convidar: Vamos jantar só nós dois, em algum lugar?
 
É descobrir o que pode fazer o outro mais feliz. É preocupar-se com ele.
 
É comentar o novo penteado, elogiar a roupa nova.
 
É segurar a mão, no hospital, enquanto o ser amado convalesce.
 
É falar de esperança, acenando melhores dias, quando as sombras do desalento comparecem no céu familiar.

Amar é ter tempo para assistir juntos um filme, comentar depois e... assistir outra vez, para reviver as emoções positivas da primeira vez.

É lembrar do dia do aniversário, é surpreender.

Enfim, o amor verdadeiro é aquele que solidifica nos anos, amadurece no tempo e se perpetua pela vida afora.

Pense nisso e se pergunte se você ama de verdade.
 
Pense quando foi a última vez que fez uma declaração de amor, fez um elogio, deu um presente.

Quando foi a última vez que saiu para jantar, para dançar, para passear.

Quando foi a última vez que saíram de mãos dadas, que assistiram a um show de cabeças coladas uma à outra...

Pense.

E se descobrir que faz muito tempo, surpreenda seu amor ainda hoje.

Convide. Invente, mostre que em seu coração o sentimento sublime ainda vige, forte, rijo, maravilhosamente presente.

Mas, faça isso, hoje.

Não estanque o gesto, nem perca a chance.

O amanhã poderá ser o momento que não chegue.
 
 Redação do Momento Espírita.

Comentários

  1. óla,eu acho que estava mesmo precisando dessa injeção de bom ânimo pro meu casamento,que nos sirva de lição para por em prática, que bela postagem realmente incrível...um abraço da kacal

    ResponderExcluir
  2. Bem amigo dizer o quê, diante deste belo texto, parabéns por esta magnífica escolha.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  3. e eu completo dizendo que amor, é quando vc sente até mesmo quando a pessoa ta distante, porem, visivel ao coração.
    abçs

    ResponderExcluir

Postar um comentário