Obsessão - Vítima ou Parceiro

Fato muito comum presenciado nas casas espíritas (ou mesmo fora delas, pois que obsessão/mediunidade tem sido um assunto hoje largamente disseminado) é a afirmação de que determinada pessoa que está sofrendo algum tipo de perturbação de fonte desconhecida (visões, aparições, pensamentos ou vozes constantes, idéias estranhas, fatos extraordinários etc) estar sendo “vítima de obsessão” - às vezes taxadas de leves, graves ou ainda gravíssimas.

Nada de anormal no fato de ser identificada como obsessão (seja qual grau for: simples, subjugação, fascinação, vampirismo). O que aqui se quer questionar e dar ênfase é o fato de ser acrescida do qualificativo “vítima”. Com efeito, o que se quer dizer seria que o acometido da anormalidade psíquica estaria sendo assediado por alguém desencarnado, como uma presa indefesa, por acaso, sem conexão entre causa e efeito. Em uma palavra: por simples maldade!

Entretanto, há grave erro - seja do paciente, seja do atendente da casa espírita no chamado plantão espiritual - em qualificar o primeiro como sujeito passivo indefeso, sacrificado às paixões ou interesses do ente desencarnado, que “escolheu ao léu”, “à toa”, sua incauta vítima.

O processo obsessivo não é uma rua de mão única, não é telefone de um só bocal, não é linha de rádio só emissora e sem recepção, não é agulha sem linha; como não é também fruto do acaso, como não é um acidente imprevisto e ocorrido a esmo, como ainda não é um jogo de sorte/azar.

Não, não. Tem causa. Tem às vezes muitas causas. E em nenhuma delas o paciente é vítima de ninguém. Ao contrário. É um misto de agente/paciente; é exatamente a fonte causadora do assédio espiritual, qual seja, da obsessão.

A propósito, lembremo-nos das palavras de Kardec (Evangelho Seg. o Espiritismo, Cap. XXVIII, item 16): “Os maus Espíritos somente procuram os lugares onde encontrem possibilidades de dar expansão à sua perversidade. Para os afastar, não basta pedir-lhes, nem mesmo ordenar-lhes que se vão; é preciso que o homem elimine de si o que os atrai. Os Espíritos maus farejam as chagas da alma, como as moscas farejam as chagas do corpo. Assim como se limpa o corpo, para evitar a bicheira, também se deve limpar de suas impurezas a alma, para evitar os maus Espíritos.”

Ora, trocando em miúdos, temos que um determinado Espírito é atraído, literalmente, pelas más tendências, pelos vícios, pelos defeitos, pelas ações do encarnado, com quem passa a vivenciar essas mesmas tendências, em regime de reciprocidade. Então, o obsidiado não seria vítima do obsessor, mas um parceiro, um semelhante, um igual, um sócio, um companheiro, enfim.

Tecnicamente, chamaríamos a ocorrência de “atração sintônica”: um é atraído pela sintonia de gostos e pensamentos do outro... simplesmente!

Não é por outra razão que os doutos em Espiritismo, especialmente nas ocorrências dos fatos mediúnicos (pois que a obsessão é um fato mediúnico de baixo teor fluídico, uma associação de idéias entre ambos os envolvidos), taxam-na como uma parceria. E o fazem de maneira enfática, grave, até mesmo assustadora, mas real. Vejamos, em letras garrafais para que ninguém mais diga que não viu ou não se deu conta:

A obsessão é “O ENCONTRO E A CONJUGAÇÃO DE DUAS FORÇAS SIMPÁTICAS EM PERMUTA DE AFINIDADES”. (DR. BEZERRA DE MENEZES (Espírito), em “Dramas da Obsessão”, psic.)

...De sorte que: CONJUGAÇÃO quer dizer (no dicionário comum) união, ligação, conjunção, conexão; SIMPÁTICA quer dizer atraente, apreciada, adepta, aprovada, agradável, concordante, harmônica; PERMUTA quer dizer troca consentida, transação, comércio, partilha; e, afinal, AFINIDADE quer dizer semelhança, analogia, correlação, parentesco, ligação.

Seria necessário algo mais preciso para afastar-se o sentido de vítima?!

E mais:

“É UMA INFESTAÇÃO DA ALMA, SEMELHANTE À INFECÇÃO DO CORPO CARNAL, PRODUZIDA POR VÍRUS E BACTÉRIAS.” (Prof. HERCULANO PIRES, em “Mediunidade”, pg. 57)

Enfim, em resumo, a obsessão nada mais é do que “É UMA PARCERIA SINISTRA”. (idem, pg. 65) E o Prof. Herculano conclui, depois de analisar o estado moral da humanidade terrestre, cujas mentes são verdadeira fonte de instalação do processo obsessivo - pela comunhão de idéias e pela identidade de gostos entre encarnados e desencarnados, que vibram no mesmo diapasão, pensam nas mesmas coisas e agem do mesmo jeito -, conclui que a situação é gravíssima, pois que “A OBSESSÃO TORNOU-SE O MAL DO SÉCULO”.(idem, pg. 139)

Como recomendado no Evangelho Segundo o Espiritismo, no trecho acima citado, para eliminar a obsessão, para quebrar a parceria sinistra, para “livrar” a criatura padecente, SERÁ PRECISO MELHORÁ-LA, MODIFICÁ-LA; será preciso eliminar dela o que atrai o Espírito maldoso.

E isso somente se dá com a REFORMA do ser, quebrando um dos elos da cadeia/corrente sinistra que se estabeleceu. A melhora de um deles (seja o encarnado, seja o desencarnado), põe por terra definitivamente o processo obsessivo.

E, nisso, o Espiritismo está em grande vantagem: sua bandeira maior é melhorar a humanidade, laborar o “homem novo” em cada um, por fraternidade, por caridade e por amor - como pregou o Cristo - e não por simples proselitismo, para angariar adeptos. Melhorando o Ser, estará quebrando o círculo vicioso estabelecido no processo obsessivo e, assim, estará esvaziando os manicômios e casas de saúde mental, onde uma grande parte de pacientes sofre distúrbios que poderiam ser resolvidos simplesmente com uma terapia espiritual.

Francisco Gabilan
Compartilhe no Google Plus

Sobre o autor: CELESFA

2 Comentários:

  1. Muito bom, adorei vou repassar!

    ResponderExcluir
  2. Bem, podemos afirmar que necessariamente para que um espirito obsessor para se aproximar de um encarnado é preciso que este esteja digamos desprotegido, e isto não quer dizer que as vezes não possa haver um descuido e uma porta ficar aberta e pronto ....portanto de uma forma e de outra "orai e vigiai".

    ResponderExcluir

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *