O mundo da psicografia

Um dos maiores mistérios que rondam o nosso mundo é o mistério da morte. A possibilidade de nos comunicarmos com quem já se foi é intrigante. Uma das formas de contato com o mundo espiritual é através da psicografia. O médium brasileiro Chico Xavier ficou conhecido com os livros psicografados que publicou.

Um nome que também se destaca no kardecismo é o de Divaldo Pereira Franco. Ele é o médium mais respeitado atualmente no Brasil e é o maior divulgador da doutrina espírita por todo o mundo. A primeira experiência mediúnica aconteceu quando tinha 4 anos, mas não foi através da psicografia. “Estava brincando na sala e uma senhora chegou e disse que queria falar com minha mãe. Eu a chamei e, quando ela chegou na sala, não havia ninguém. A senhora voltou a dizer que queria falar com minha mãe e contou que era a minha avó.Eu não sabia o que era avó porque, quando nasci, meus quatro avós já tinham falecido”, disse.

São incontáveis as mensagens que ele escreveu sob a orientação dos chamados "benfeitores espirituais". Todo esse trabalho está reunido em mais de 200 livros! “Os livros necessitam de um transe profundo. A gente não sabe o que escreve. Eu já psicografei até em árabe”, explicou. Ele já fez mais de 11 mil conferências em 2 mil cidades em todo o Brasil e em 62 países. Tem 600 filhos adotivos e 200 netos.

E como explicar o talento de um menino pianista que toca sem nunca ter aprendido? Será que o espiritismo explica? Para Divaldo Franco, trata-se de um fenômeno de reencarnação.

“Nesses fenômenos, o espírito retorna e evoca as lembranças de uma outra vida, não só da música”, explica. O Mais Você também mostrou, nesta quarta-feira, o caso do seu Aurílio Moraes, que perdeu o filho, Carlos Eduardo, repentinamente, quando ele ia completar 15 anos. Após a morte do menino, ele recebeu uma mensagem do filho. Outros médiuns também receberam mensagens de Carlos, inclusive Chico Xavier.
 
Ainda no palco do Mais Você, Ana Maria recebeu a atriz Ana Rosa, que interpreta a “Virgínia” na novela “Três Irmãs”. Ela é espírita e perdeu dois filhos. “Já consegui me comunicar com a minha filha, uma delas com o Divaldo. Eu não tinha ido buscar uma mensagem, mas ele disse que precisava falar comigo. Foi a coisa mais linda! Entre várias coisas, ela disse que tinha sido muito bom eu e meu marido termos continuado na doutrina. Eu fazia a peça ‘Violetas na Janela’ e ela disse que as violetas não deveriam ficar na janela, e sim em um lindo tapete para me receber no dia em que eu partir”, contou, enquanto Ana Maria foi às lágrimas.




Fonte: site do Mais Você (Rede Globo)
Compartilhe no Google Plus

Sobre o autor: Geraldo V Laps

0 Comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *