Liberdade

Na lógica do mundo, encontramos os mais diversos tipos de liberdade, criando, porém, quase sempre deveres tristes e deprimentes.Nas linhas da luta vulgar, o homem possui a liberdade para a consumação do crime, mas adquire a obrigação de submeter-se à pena que lhe venha a ser cominada pelo justiça, a esperá-lo na penitenciária e na reclusão.

Dispõe da liberdade de menosprezar a si próprio, fugir ao trabalho e confiar-se ao vício, mas algema-se ao dever de gravar no próprio corpo os sinais da falência a que se empenhou, candidatando-se ao hospital, quando não desce, aturdido, ao vale da loucura e da morte. Goza da liberdade de ferir os semelhantes, mas, com isso, aprisiona-se no dever de aceitar o retorno das farpas que atira ao coração do próximo, passando a viver entre doenças e males de toda espécie.

Conta com a liberdade de subtrair-se ao estudo, atendendo às sugestões da preguiça, mas encarcera-se na obrigação de suportar a ignorância com todo o seu cortejo de misérias e infortúnios, que acabam coagulando trevas em derredor de seus passos. Na lógica do Evangelho, porém, encontramos a divina liberdade do espírito. É a liberdade de nos escravizarmos, qual o próprio Jesus, ao dever do sacrifício pelo bem de todos...

Liberdade de converter o tempo em serviço incessante, e de transformar o ódio e a injúria em amor e bênção...

Liberdade de ajudar sem retribuição, de sofrer sem queixar-se, de construir sem atormentar, de fazer o melhor em favor dos outros no silêncio da humildade e da renúncia que nos aproximam do Céu...

Essa é a única liberdade de sermos livres para a sublime ascensão a Deus.

(Francisco Cândido Xavier por Emmanuel. In Intervalos)

Comentários