Salvação

A idéia de salvação há muito ocupa o pensamento da Humanidade.

Contudo, o conceito permanece indefinido.

Afinal, em que consiste exatamente a salvação?

Será um processo mágico que transmuda de repente um ser egoísta e falho em um anjo de amor e misericórdia?

Os homens sempre têm buscado gurus e salvadores.

Não no sentido de um mestre cujos exemplos devam ser imitados e os ensinamentos, seguidos.

Mas sim como alguém que faça o trabalho duro.

Há um certo gosto pelo maravilhoso, por soluções fáceis e rápidas.

Conforme algumas concepções, basta crer em um Ser Superior para ser salvo ou redimido.

Pela obra e graça de um terceiro, os problemas da criatura somem e ela se transporta a um mundo ideal.

Aí, então, tudo é descanso e ócio.

As fissuras morais desaparecem e não há mais dúvidas ou desafios.

A rigor, nem se tem mais o mesmo ser, mas outro totalmente diferente, sem qualquer vínculo com o primeiro.

Há quem confira a alguns ritos o poder de provocar essa surpreendente transformação.

Entretanto, no âmbito cristão, não é possível olvidar o princípio evangélico que diz:

A cada um segundo suas obras.

No livro O Consolador, o Espírito Emmanuel, mediante a psicografia do médium Francisco Cândido Xavier, trata do tema.

Segundo ele, a salvação da alma deve ser entendida como auto-iluminação, a caminho das mais elevadas realizações.

Ou seja, o próprio ser se ilumina.

Não se trata de mero aproveitamento do esforço de terceiro.

Emmanuel afirma que o Evangelho é o roteiro para a ascensão de todos os Espíritos.

Da vivência do Evangelho decorre a luz espiritual.

Conclui-se que a salvação é o resultado de um trabalhoso processo de auto-iluminação.

O candidato deve esforçar-se em seguir os exemplos e os ensinamentos do Cristo.

Necessita abandonar tendências inferiores e vícios.

Romper com velhos hábitos e assumir o compromisso de ser melhor a cada dia.

Cessar com maledicência, pornografia, preguiça, desonestidade e tudo o mais que seja incompatível com o título de cristão.

A salvação é um compromisso que o homem assume com sua consciência.

É uma questão de maturidade, de assumir a responsabilidade pela própria existência imortal.

Não há milagres e nem solução fácil.

Um não faz o trabalho árduo pelo outro.

A redenção é o resultado de muito esforço e disciplina.

O ser surge redimido quando está pronto para a vivência da mais pura fraternidade.

Quando realmente internalizou a idéia de que deve tratar o próximo como gostaria de ser tratado.

Quando não mais se permite baixezas e deslealdades.

Quando a dor do próximo toca fundo em seu coração.

Ao redimir-se, o Espírito se liberta do mal.

Por entender as dificuldades alheias, perdoa com facilidade e não permite que o mal do mundo o contamine.

Por saber o quão difícil e trabalhoso é purificar-se, torna-se indulgente com as imperfeições alheias.

E faz todo o bem possível, pois sente intensa compaixão pelos semelhantes.

Tal estado d'alma liberta o Espírito dos círculos do sofrimento e o habilita a vivências sublimes em mundos depurados.

Esse é o significado da salvação.

Pense nisso.

Redação do Momento Espírita, com base na questão 225, do livro O consolador, do Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Feb.
Compartilhe no Google Plus

Sobre o autor: Geraldo V Laps

0 Comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *