O Livro dos Espíritos

Foi há 150 anos. Era um sábado. A manhã não despertara de todo e,desfrutando o ar levemente frio da manhã, um homem se dirigiu à Galeria d'Orleans, no Palais Royal, em plena Capital francesa.

Ele era conhecido como pedagogo de renome em seu país e reconhecido internacionalmente. Era o Professor Rivail.

Dirigiu-se à Livraria Dentu, subiu as escadas e chegou à sobreloja.

Naquela manhã, seu objetivo não era verificar nenhum dos seus livros

didáticos, pois que diversos publicara.

O que se encontrava nas mãos da Sra. Dentu era algo muito especial.

Uma obra que abalaria os alicerces da ciência, da filosofia e da religião então vigentes.

Ali estavam reunidas 501 questões que tinham a ver com a origem, a natureza, e o destino dos Espíritos.

A obra foi colocada na vitrine, sobre veludo vermelho. Era O Livro dos Espíritos.

Numa didática seqüência, apresentava os princípios da Doutrina Espírita sobre a imortalidade da alma, a natureza dos Espíritos e suas relações com os homens, as leis morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da Humanidade.

Pedra angular sobre a qual se ergue a Doutrina Espírita, é um tratado para orientar a economia, a sociologia, a psicologia, a embriologia, a ética.

Obra ímpar, desafia o segundo século de publicação sem sofrer qualquer alteração, no seu conteúdo, num período em que todo o conhecimento sofreu contestação e alterou a face cultural da Terra.

Alcançou, desde os primeiros momentos grande êxito na França e no restante da Europa, com repercussão pelas Américas.

O Abade Leçanu, na época, referindo-se à monumental obra, disse:

"Observando-se as máximas de 'O Livro dos Espíritos', de Allan Kardec,

faz-se o bastante para se tornar santo na Terra."

O Livro dos Espíritos é a compilação dos ensinos ditados pelos Espíritos superiores e publicado por ordem deles.

Ao Codificador, Allan Kardec, coube a tarefa de organizar e ordenar as perguntas sobre os assuntos mais simples aos mais complexos, abrangendo variados ramos do conhecimento humano.

Dividido em 4 partes, engloba um corpo de doutrina claro, metódico e inteligível para todos.


Com sua publicação, concretiza-se na face da Terra a promessa de Jesus do Consolador Prometido: a Terceira Revelação. O Espiritismo nasce na manhã daquele sábado, 18 de abril de 1857.

Sem O Livro dos Espíritos, com seus parâmetros esclarecedores, não existe Doutrina Espírita.

"A todos os deserdados da Terra, a todos quantos avançam ou caem, regando com as lágrimas o pó da estrada, diremos: lede 'O Livro dos Espíritos', ele vos tornará mais fortes.

Também aos felizes, aos que em seu caminho só encontram as aclamações da multidão e os sorrisos da fortuna, diremos: estudai-o e ele vos tornará melhores."

* * *

Você sabia?

...que a segunda edição de O Livro dos Espíritos, publicada em março de 1860, foi aumentada para 1019 perguntas?

E que essa 2ª edição se esgotou em 4 meses?

Que antes de ser publicada, a obra sofreu uma completa revisão dos próprios Espíritos, com o concurso mediúnico de uma jovem de nome Japhet?

E que o Oriente Médio já dispõe de O Livro dos Espíritos traduzido para o idioma árabe?

E, finalmente, que no ano de 2007, comemoram-se os 150 anos de publicação de O Livro dos Espíritos?

Texto da Redação do Momento Espírita com base na 2ª. parte do livro Obras Póstumas, de Allan Kardec; O livro dos espíritos e sua tradição histórica e lendária, de Canuto Abreu, ed. LFU; O primeiro livro dos espíritos de Allan Kardec, de Canuto de Abreu, ed. Ismael; cap. 3 do livro Reflexões espíritas, pelo Espírito Vianna de Carvalho, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal e cap. 6 do livro Momentos enriquecedores, do Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.

Comentários