Ecos do Além - Revista Quem

O espiritismo cresce, aumenta sua influência sobre pessoas de alta renda e garante boa audiência na televisão. Ao mesmo tempo, mais celebridades acreditam em reencarnação e na comunicação com “entidades”

POR TIAGO CORDEIRO

» Conte para a gente: Você acredita no espiritismo? Já teve alguma experiência sobrenatural?


Os espíritos estão em todo lugar. Basta ligar a TV. Na novela O Profeta, eles dão o poder da premonição ao protagonista Marcos, interpretado por Thiago Fragoso - e uma antecessora recente, Alma Gêmea, que era sustentada por uma história de reencarnação, rendeu a maior audiência de uma novela das seis em dez anos. Em Páginas da Vida, a falecida Nanda (Fernanda Vasconcellos) visita o pai, Alex, papel de Marcos Caruso, e a filha com síndrome de Down, Clara. Nos canais fechados, então, há uma onda de séries sobre o sobrenatural. São 14, fictícias ou documentais, que exploram a reencarnação e a comunicação com outras almas. Uma delas, Ghost Whisperer, estreou nos Estados Unidos em 2005 com 11,4 milhões de espectadores. No Brasil, este ano, tem sido o programa mais visto no horário. O que também vale para Psychic Detectives.

Aqui, a crença em entidades do além é amparada principalmente pelo espiritismo e a onda vem acompanhada de uma mudança de perfil da religião. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o espiritismo tem hoje 20 milhões de adeptos - cresceu 40% em cinco anos, principalmente nos Estados mais ricos e escolarizados. Quem professa essa fé tem renda 150% superior à média nacional, e 52% ganham mais de cinco salários mínimos. Estes novos seguidores valorizam as explicações racionais para a vida após a morte. 'A leitura e a meditação se tornam mais importantes do que as sessões de mesa branca e as operações sem anestesia', afirma a antropóloga Sandra Jacqueline Stoll, da Universidade Federal do Paraná.

Com a mudança de perfil e o sucesso do assunto na mídia, não é de espantar que mais celebridades estejam declarando sua crença em espíritos. É o caso de Juliana Paes, Raica Oliveira, Cleo Pires, Rosi Campos, Marcos Caruso, Carlos Vereza, Paola Oliveira e Samara Felippo. A casa Lar de Frei Luiz, no Rio, é uma das que recebem várias celebridades toda semana. 'Carlos Vereza é um dos nossos conselheiros, e sempre vêm aqui Elba Ramalho, Joanna, a Alcione, Toni Garrido, Cissa Guimarães', diz a presidente, Helena Mussi Gazolla.

'Fiquei muito impressionado com os livros de Allan Kardec, com as apresentações lógicas e claras sobre nossa evolução espiritual. Ele explica muito bem esse conceito tão antigo que é a reencarnação', diz Caio Blat. Bem de acordo com essa nova tendência, o ator procura conciliar as explicações do fundador da doutrina espírita com a espiritualidade oriental do taoísmo. 'Sou seguidor de Lao Tsé e tento conciliar a busca por ser zen com a explicação racional do espiritismo', afirma. Algo parecido com o que o guru indiano Deepak Chopra tenta fazer em seu novo livro - mas seguindo o caminho inverso. Em Life after Death: the Burden of Proof (Vida após a Morte: o Fardo da Prova), Chopra defende sua fé na reencarnação e, a partir dela, busca explicações científicas para o fenômeno. Com a diferença de que, em geral, as religiões orientais não acreditam na comunicação direta com espíritos.

MEDIUNIDADE NATURAL
Allan Kardec era o pseudônimo do pedagogo francês Hippolyte Léon Denizard Rivail (1804-1869). Em 1857, ele sistematizou suas pesquisas sobre a comunicação com o além na obra O Livro dos Espíritos, o primeiro de seus cinco trabalhos que propõem uma explicação sobre para onde vamos depois da morte. Nos anos seguintes, o espiritismo saiu de moda na Europa, mas encontrou um terreno fértil no Brasil. Hoje somos o maior país espírita do mundo. 'Sou um devoto, acredito nas responsabilidades pelo que fazemos, que voltamos numa vida futura e que eu posso voltar melhor ou pior, dependendo do que faço aqui. Assim, encaro melhor a minha presença nesta vida', diz o ator Marcos Caruso. 'A divisão entre os mundos físico e espiritual não existe. Para mim, o mundo é um só', afirma Thelma Guedes, uma das autoras de O Profeta.

LINHA DIRETA
'Minha bisavó já era espírita, minha mãe se comunicava com entidades. Acredito que existem outras vidas e as pessoas se comunicam com muita força quando estão morrendo', diz o ator Jorge Loredo. Há ainda quem se declare médium. 'Fui desenvolvendo a mediunidade de forma natural', afirma a atriz Rosi Campos, que interpreta uma cartomante em O Profeta. 'Quando cheguei ao centro espírita, eu não sabia se iria conseguir essa conexão. As pessoas é que mitificam, mas, se você acredita, não tem nada de anormal.'

Carol Castro também pensa assim. 'As crianças têm uma pureza muito grande e para elas o contato com os espíritos é espontâneo. Eu via muitos quando era criança. 'Aos 6 anos, contei para a minha mãe que, em uma vida passada, eu morei em um castelo e tinha uma mãe que fumava. O nome dela era Marcela. Todos daquela minha família morreram de febre.' Hoje, a atriz diz que não vê mais entidades, mas que sua mãe conseguiu desenvolver essa capacidade. 'Ela se comunica com espíritos e já psicografou um livro do escritor Camilo Castelo Branco.'

Comentários