Espiritismo no além-mar (Parte II)

A entrevista de Divaldo Pereira Franco, amplamente divulgada no CELE semanas atrás, me fez refletir sobre a evangelização nos “países desenvolvidos” e hoje venho trazer a vocês minhas reflexões.

Foi muito bom ler esta entrevista, principalmente depois de ter postado o “Espiritismo no além-mar (Parte I)” por vivenciar um pouco do cotidiano daqui. Na verdade, a entrevista deste exemplar divulgador da doutrina espírita me fez pensar, já que uma resposta de Divaldo ia contra o que tinha escrito....risos.
A princípio achei que estava sem noção nenhuma sobre o que estava acontecendo na minha volta e que escrevera uma grande bobagem, pois Divaldo respondendo a uma das perguntas disse:

“Neste momento de transição vivemos os primórdios da hora de renovação social que tomará conta do mundo, assim que passem as grandes tribulações e os testemunhos que irão purificar os espíritos que se olvidaram da lei de amor. Em toda parte, as entidades venerandas comunicam-se convidando à transformação moral do indivíduo, para que, a partir dela, haja a renovação social.”

E eu para finalizar o meu texto, escrevi que aqui Jesus não era moda (pessoal, Ele continua não sendo ...nada mudou por estas bandas desde a última postagem!!!).

Após queimar muito fosfato, vi que Divaldo havia escrito que a renovação social “tomará” (tempo verbal futuro!!!) conta do mundo... concordo 100% com Divaldo, meu texto apenas exemplificou na prática que o caminho para a renovação espiritual e social desejada é um caminho longo, de trabalho, mas com certeza de sucesso!

Paz

Fabiano (Montpellier 39 graus...)

Comentários